3 de novembro de 2010

Cidade povoada por maioria indígena vive de repasses do governo no Acre

Compartilhe:

     Abdoral Cardoso

Com o índio Hilário Augusto no cargo de vice-prefeito e três outros descendentes da etnia Kaxinawa ocupando postos de comando na Mesa Diretora da Câmara Municipal, como o vice-presidente, Edmar Domingos, o 1º secretário Paulo Lopes Mateus e o 2º secretário Adalberto Domingos, o município de Santa Rosa do Purus, localizado na região do Alto Purus, fronteira da Amazônia acreana com o Peru, é apontado como uma das comunidades de maior índice populacional indígena do Brasil.

Mais de 60% dos seus atuais 6 mil habitantes são remanescentes das etnias Kaxinawa, Jaminawa e Colina. O município sobrevive basicamente dos repasses institucionais e tem no serviço público a maior fonte de empregos.

A região é tão distante e desconhecida que o primeiro nome do antigo seringal nativo é vila Santa Rosa, emancipada para município em 1992 e instalado em 1993, teve que ser complementado com a denominação do rio Purus, que banha a cidade, para evitar que as parcelas do Fundo de Participação do Município (FPM) continuassem a ser depositadas na conta da sua cidade homônima, no Rio Grande do Sul, como aconteceu em 1992.

Com a medida, Santa Rosa do Purus passou a se distinguir dos seus outros homônimos brasileiros pelo último nome, como é o caso das cidades de Santa Rosa do Rio Grande do Sul (RS), Santa Rosa da Serra (MG), Santa Rosa de Goiás (GO), Santa Rosa de Lima (SC); Santa Rosa de Lima (SE) e Santa Rosa de Vitergo (SP).

Exílio espontâneo

A área territorial de Santa Rosa do Purus é de 6.049,7 Km² e foi desmembrada do município de Manuel Urbano. Situado às margens do rio Purus, seu limite começa no marco internacional da fronteira Brasil e Peru, próximo à nascente do rio Santa Rosa do Purus, limitando-se também com os municípios de Feijó e Manuel Urbano.

Santa Rosa do Purus, juntamente com Manuel Urbano e Sena Madureira, é parte da Regional do Alto Purus, sendo um dos municípios mais isolados do Estado, que, de acordo com o histórico do seu portal http://www.santarosadopurus.ac.cnm.org.br/portal1/municipio/historia.asp?iIdMun=100112018 “a presença do estado, em nível local e nacional, se restringe aos repasses constitucionais, podendo-se dizer, que a sua população vive no ‘exílio’ dentro do seu próprio país”.

Tags:

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

PUBLICIDADE