18 de janeiro de 2017

Ministério Público aciona Justiça Federal contra aumento da cota de operação da Usina de Santo Antônio

Compartilhe:

Na ação, MPF e MPE de Rondônia alegam que bama autorizou ilegalmente aumento do reservatório de 70,5 para 71,3 metros da hidrelétrica.

UHE Santo Antônio construída em Porto Velho - Foto- assessoria

UHE Santo Antônio construída em Porto Velho – Foto- assessoria

Autor: MPF de Rondônia

O Ministério Público Federal em Rondônia (MPF/RO) e o Ministério Público Estadual (MP/RO) pediram à Justiça Federal o cumprimento imediato das decisões liminares que proibiam o Ibama de emitir licença para aumento do reservatório da Usina Hidrelétrica de Santo Antônio – são duas. Os órgãos pedem a anulação da licença concedida pelo Ibama, pagamento de multa de R$ 100 mil por dia, em decorrência do descumprimento de decisão judicial, e a reversão de qualquer medida realizada pela hidrelétrica para o aumento da cota.

MPF/RO e MP/RO apontam na ACP que, até o momento, a Santo Antônio Energia não cumpriu todas as condicionantes que foram exigidas para seu funcionamento e que tampouco apresentou o plano de segurança de barragem, nem referente ao atual reservatório nem o relativo ao aumento da área alagada pela usina hidrelétrica.

O procurador da República Raphael Bevilaqua, do MPF/RO, esclarece que “não se têm notícias do cumprimento das condicionantes referidas na Nota Técnica 5493/2013, muito pelo contrário. A situação é caótica: há também liminar concedida em ação civil pública que determina o refazimento dos Estudos de Impacto Ambiental de Santo Antônio e Jirau que até agora não foram concluídos – o que inviabiliza o estabelecimento do marco indenizatório”.

MPF/RO e MP/RO apontam também, em outra ACP, que o aumento da cota do reservatório, de 70,5 para 71,3 metros, e seus impactos precisam ser discutidos com as populações atingidas, em audiências públicas, e também com apresentação de estudos mais aprofundados. Os órgãos ressaltam que sequer a extensão verdadeira do dano social e ambiental já causado pela barragem é conhecido.

Assinam o pedido o procurador da República Raphael Bevilaqua e a promotora de Justiça Aidee Maria Moser Torquato. As ações civis que tratam da elevação da cota do reservatório podem ser consultadas no site da Justiça Federal em Rondônia com os números 1339-57.2014.4.01.4100 (audiências públicas) e 6888-19.2012.4.01.4100 (condicionantes sociais).

Notícias relacionadas:

13 de agosto de 2016

Pequeno empresário produz doces com frutas regionais da Amazônia

[13/08/2016 - 10:34h] Compartilhe:Uasca Oliveira lamenta o grande desperdício de toneladas de frutas com sabores inigualáveis que apodrecem por falta de uma política […]

11 de agosto de 2016

Estiagem severa e queimadas atingem centro-sul da Amazônia Legal

[11/08/2016 - 09:51h] Compartilhe:Na opinião de cientistas, a seca anormal para o período é resultado da continuação do El Niño Godzilla, mas há […]

16 de fevereiro de 2016

Região Norte tem 10% da população urbana atendida por rede de esgoto

[16/02/2016 - 21:51h] Compartilhe:Yara Aquino – Repórter da Agência Brasil Entre as regiões brasileiras, o Norte tem a menor cobertura de coleta de […]

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

PUBLICIDADE