2 de outubro de 2013

Livro conta causos e histórias de Porto Velho

Compartilhe:

Hisoriadora Yêdda Borzacovi, Samuel Castiel e Viriato Moura lançam o livro hoje, em comemoração ao aniversário do município

Ana Aranda

Autora de oito obras individuais e co-autora de outras 15, sobre a história de Rondônia, a historiadora e professora Yêdda Borzacov mais uma vez se volta para a memória de Porto Velho, contando “causos” e histórias verdadeiras que ouviu na casa do pai, o médico Ary Tupinambá Pinheiro, e do tio, o ex-governador do então Território Federal de Rondônia, Aluizio Ferreira. Os relatos, lembra ela, eram feitos em rodas animadas de amigos, em um tempo em que as pessoas tinham tempo para sentar e botar conversa fora. “Eram sempre as mesmas, mas o pessoal se divertia muito”, relembra. As histórias podem ser conferidas no livro “Trem Vivo” – Viagem ao Imagimário da Ferrovia do Diabo”, que tem a participação de outros dois portovelhenses, Viriato Moura e Samuel Castiel. O lançamento será feito hoje, na Casa de Cultura Ivan Marrocos.

Yêdda Borzacov dá uma “palhinha” para os leitores e conta um dos causos do livro. A narrativa trata da mania de um ex-ferroviário, seu Luiz, de inventar histórias. Diz a lenda que “ele mentia até quando estava calado”. O ferroviário era encarregado de levar o gado que vinha da Bolívia para abastecer a cidade, para o outro lado do rio, onde os animais ficavam um tempo, engordando antes do abate. Os bois eram transportados de uma margem à outra do Madeira, amarrados em um barco, boiando no rio. Certa vez, foram atacados por um cardume de piranhas e o mentiroso contava que os animais, já descarnados, subiram o baranco. Só havia ficado os esqueletos, mas um deles chegou até a soltar um mugido comprido e triste antes de cair no chão.

A obra registra outros “causos”, como a da “ninfomaníaca do último vagão, o “pajé que transformava fezes em ouro” e a controvertida história da viagem do guerrilheiro Chê Guevara, que teria embarcado em um trem da Madeira-Mamoré em Porto Velho para chegar na Bolívia, onde deu início à frustrada tentativa de expandir o regime socialista de Cuba em outros países da América Latina.

Lançamento

O livro será lançado em Porto Velho nesta quarta-feira, dia do aniversário da cidade, na Casa de Cultura Ivan Marrocos, às 20h30 e ficará à venda nas livrarias Exclusiva, Casa do Artesão e Loja do Livro. O pré-lançamento do trabalho foi feito na Bienal do Livro, realizada no Rio de Janeiro, de 27 de agosto a 8 de setembro. A historiadora relata que, apesar dos requintados trabalhos de marketing que destacaram os standes de editoras poderosas, durante a Bienal os livros dos autores rondonienses chamaram a atenção do público.

Notícias relacionadas:

7 de novembro de 2019

Professor de Extrema, em Porto Velho, vence concurso do Ministério da Cidadania

[07/11/2019 - 16:49h] Compartilhe: Projeto constitui uma coletânea poética de aproximadamente 300 páginas que será publicada e distribuída gratuitamente em escolas públicas. Fonte: […]

21 de fevereiro de 2015

Literatura, mitos e objetos do imaginário da região amazônica são temas de congresso da Unir

[21/02/2015 - 10:54h] Compartilhe:Evento terá participação de pesquisadores amazônidas do Brasil e outros países latino-americanos Com informações da UNIR A Universidade Federal de […]

7 de agosto de 2013

Frente Indígena impetra mandado de segurança no STF para barrar tramitação da PEC 215

[07/08/2013 - 23:37h] Compartilhe:Mara Paraguassu Mandado de Segurança para impedir a criação de Comissão Especial para avaliar a Proposta de Emenda Constitucional (PEC […]

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

PUBLICIDADE