12 de abril de 2016

Presidência da República é destino

Compartilhe:

A política é surpreendente. Quem imaginaria José Sarney presidente da República, então vice de Tancredo Neves, candidato vitorioso do PMDB pela Aliança Democrática, que adoeceu e morreu deixando comovida e atônita uma multidão de brasileiros?

Outro mineiro, Itamar Franco, decidiu às pressas ser vice na chapa de Fernando Collor de Melo. Descrito por cronistas políticos como personagem que faz tudo errado mas dá tudo certo – o Forrest Gump da política mineira -, virou presidente da República após Collor sofrer impeachment em 1992.

Quem tinha a pretensão de ser presidente pelo PSDB era Tasso Jereissati. Mas o político e empresário do Ceará abriu mão porque o terceiro ministro da Fazenda de Itamar Franco, o professor Fernando Henrique Cardoso, navegava na popularidade do Plano Real, colocando fim à crônica inflação, nunca debelada em tentativas anteriores.

Ulysses Guimarães queria a presidência da Presidência da República desde os anos 70, quando se destacava como oposição ao governo militar. Mesmo com alta popularidade por ter presidido a Câmara dos Deputados na época da Constituinte de 87-88, sua tentativa fracassou em 1989, abandonado pelo próprio partido na primeira eleição direta após o fim da ditadura.

Salvo engano, foi o Senhor Diretas quem disse ser destino a presidência da República. O destino não chegou para alguém como ele, com onze mandatos consecutivos de deputado federal, mas chegou para Dilma Rousseff, nunca antes submetida ao escrutínio popular.

Nem chegou para o polêmico governador Carlos Lacerda, que  apoiou os militares na deposição de João Goulart, logo se desencantou com o presidente Castelo Branco, anunciou candidatura mas as eleições foram suspensas. Sabemos até quando.

Vivemos agora outra circunstância muito especial.  A comissão do impeachment da presidente Dilma aprovou com 38 votos e 27 contrários o processo de afastamento. Quem sabe o vice Michel Temer venha trocar o Palácio Jaburu pelo Palácio da Alvorada.  A conferir.

Contas

O PMDB faz as contas, mapeia os votos na Câmara dos Deputados, e contabiliza 334 votos no Plenário a favor do impeachment de Dilma Rousseff. Parece difícil o governo reverter a tendência pelo afastamento da presidente, havendo dois fatores de peso para isso: é ano de eleição e a economia patina. Mas vale sempre lembrar: a política é surpreendente.

Pimenta Bueno

Cresce em Pimenta Bueno o nome de Juliana Roque (PSB) para a prefeitura do município. Sondagem feita na região entusiasmou militantes do partido, que já trabalha para se aliar ao PMDB, com o nome para vice-prefeito na chapa.  Juliana é mulher do deputado estadual Cleiton Roque, e tem militância partidária destacada.

Apoiadores de peso

Pré-candidato à prefeitura de Porto Velho, o secretário Williames Pimentel (Saúde) disse nesta segunda-feira (11) à coluna que não teme os desafios da eleição e nem do cargo de prefeito na grande e complexa capital de Rondônia. O motivo: o governador Confúcio Moura e o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Maurão de Carvalho, estão fechados com ele.

Rondônia é show

Confúcio na sede da CNA: abrindo oportunidades em Rondônia.

Confúcio na sede da CNA: abrindo oportunidades em Rondônia.

Representantes de 32 diferentes nacionalidades conferiram na última semana em Brasília as potencialidades do setor produtivo e oportunidades de investimento em Rondônia e conheceram a Rondônia Rural Show,  5 ª edição, a ser realizada em maio. A exposição foi feita pelo governador Confúcio Moura e vice-governador Daniel Pereira. Estiveram no auditório da Confederação Nacional da Agricultura representantes da África do Sul; Alemanha; Angola; França; Equador; Argentina; Polônia; Rússia; China; Cingapura; Hungria e Guatemala entre outros. Na primeira edição do evento, em 2012, foram movimentados negócios na ordem de R$ 186 milhões, e na última, em 2015, R$ 622 milhões.  Rondônia é show.

Email: maraparaguassu1@gmail.com

Tags:

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

PUBLICIDADE exemplo lateral

Gente da Amazônia

De menino briguento a compositor aos 14 anos, o carnavalesco Silvio Santos não quer parar

[21/02/2016 - 17:17h] São 55 anos de música autoral. Tudo começou após assistir com a família um desfile de carnaval na avenida Presidente Dutra, numa terça-feira. Caiu forte chuva, e veio a inspiração. Tinha então 14 anos quando compôs a primeira marchinha.


Fotos da Semana

Serviços